quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Vishwananda Maharaj


Posso verdadeiramente dizer, que a primeira vez que
me encontrei com Swami Vishwananda foi um dos dias
mais importantes da minha vida e nunca pode ser
apagado da minha memória. Concordei em ir ver o
Swami num dos seus darshans.
No parque de estacionamento do local de encontro, vi o bispo da Igreja
Liberal. Gozei com ele, alegremente, dizendo que nós
tínhamos aparecido vestidos nas cores complementares
correspondentes, ele em violeta e eu própria de cor-delaranja.
Sentámo-nos juntos algures perto da parte da
frente do salão. Depois de um pequeno espaço de tempo,
o Swami chegou e tomou o seu lugar na frente da sala,
sendo devidamente introduzido como tendo vindo para
nos abençoar a todos na forma de darshan (um conceito
que era completamente novo para mim).
Linda música estava tocando como plano de fundo e
nós éramos convidados a ir até ao Swami, um por um,
para receber a sua bênção e vibhuti. Enquanto estava
sentada e observava o Swami, por alguma razão
desconhecida, fiquei subitamente muito emocionada e
sussurrei ao bispo, se ele pensava que teria sido assim
quando Jesus abençoava as multidões. Observei algumas
crianças pequenas irem receber a sua bênção e quando
elas paravam em frente do Swami, envolviam os seus
braços pequeninos à volta do seu pescoço. Nessa altura,
fiquei tão comovida que conseguia sentir as lágrimas
vertendo pelas minhas faces abaixo.
Estava sentada diante do Swami e não queria que ele
me visse a chorar, porque isso seria muito embaraçoso.
Consegui acalmar-me, mas dentro de mim estava
acorrendo uma profunda agitação emocional.
Durante um intervalo de quinze minutos, fui
convidada para me encontrar com o Swami para uma
entrevista de cinco minutos, o que eu recusei
delicadamente. Fui no entanto forçada a aceitar o convite
e depois de dar voltas ao meu cérebro acerca do que falar
com o Swami, senti-me confortada pelo conhecimento de
que ele era natural das Maurícias e portanto eu podia
falar de outro Swami, que eu conhecia de lá. Ele tinha a
sua base nas Maurícias e era um Swami cuja presença
tinha abençoado a minha casa muitas vezes.
Enquanto era conduzida para dentro da sala das
entrevistas, fui cumprimentada por Swami Vishwananda
com a frase inicial, “Mataji, tu não deves estar triste.”
Rapidamente, comecei a falar acerca da minha ligação
com o tal Swami, ao que o Swami docemente respondeu,
“Mataji, eu estou ainda no princípio da casa dos vinte
anos, portanto tudo isso aconteceu antes do meu tempo.”
Isto retirou o vento das minhas velas, por assim dizer, e
novamente, ele disse-me para não estar triste.
A minha entrevista privada terminou em breve e com
um abraço caloroso, amoroso, fui conduzida para fora,
apenas para descobrir no meio da palma da minha mão
um pequeno anel, que concluí para mim própria –
bastante desrespeitosamente – ter vindo de um pacote
afortunado que estava na sala. Eu não fazia ideia da
materialização nessa altura. Assim que encontrei o bispo
cá fora, fiquei surpreendida ao descobrir que ele também
tinha um anel, com o símbolo da cruz. Estávamos ambos
embasbacados.
Depois do darshan ter terminado, o Swami misturou-se
espontaneamente com todos e convidou-me a mim e ao
Bispo, um após o outro, para almoçar com ele, no dia
seguinte, na casa onde ele estava hospedado.
Agora sei que nada acontece por coincidência e estou
imensamente grata a Deus por ter orquestrado o encontro
desta Mataji relutante com esta grande alma, Swami
Vishwananda. Sempre que Swami Vishwanandaji
Maharaj está aqui na África do Sul, eu quero somente
sentar-me a seus pés e sei verdadeiramente como muitos
outros sabem, que ele foi enviado pelo Criador Divino
para nos ajudar a progredir espiritualmente em direcção
ao nosso objectivo supremo. Hoje em dia, não deixo a
oportunidade de estar na sua presença passar por mim
tão facilmente. Tenho recebido dele muito encorajamento
e força de vontade para continuar a percorrer este
caminho, muitas vezes difícil e acidentado, em direcção à
Luz suprema. Possam muitas almas ser abençoadas pelo
encontro com esta dádiva de Deus, Swami Vishwanandaji Maharaj, nesta vida.
O meu encontro com o Swami tem sido uma história
interminável cheia de lições e bênçãos. Vida Longa para o
nosso amado Pujya Swami Vishwanandaji Maharaj.
M. - África do Sul


1 comentário:

Patrícia disse...

Olá!Estou encantada com o seu blogue.as histórias são surpreendentes..e mágicas.que bela aventura!há 2 dias eu fui conhecer Vishwananda no darshan aqui em lagos..nao conhecia mas já tinha ouvido falar..e quando olhei no olho dele vi e senti que ele é realmente um ser imenso..apeteceu-me ficar a sorrir com ele eternamente.foi muito importante para mim este encontro porque, ao entrar no recinto, ele falava sobre a fé..e como se dirigiu directamente ao meu coração..era o que precisava ouvir depois de muito tempo a duvidar de tudo e todos..a fé no Amor!!como é simples!Obrigada pelo blogue.escreva mais!vou vir concerteza!Bem-haja!Patrícia